‘Geoparque Açores eleva os padrões de sustentabilidade do Destino Turístico’

A Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo afirmou, ontem, que o Geoparque Açores tem elevado “os padrões de sustentabilidade” do Destino Turístico da Região, evidenciando a importância do nosso “património geológico singular e de relevância internacional”, com envolvência ativa das comunidades locais numa estratégia de desenvolvimento sustentável.

“O Governo dos Açores tem vindo a apoiar este projeto, nomeadamente a Associação Geoparque Açores, que trabalha em estreita articulação com os Parques Naturais de ilha e com a Azorina, para intensificar a educação ambiental para a geoconservação e para a promoção de geoturismo sustentável”, frisou Marta Guerreiro, que falava, ontem em Ponta Delgada, na sessão de abertura da 14ª Conferência de Geoparques Europeus que decorre até sábado.

Dos 121 geossítios identificados no arquipélago, a Secretária Regional salientou os vulcões, caldeiras, lagoas, fumarolas, águas termais, fajãs, entre tantos outros, como “elementos caracterizadores do património geológico da Região”, enquanto potenciadores de “um conjunto vasto de experiências e emoções, apoiadas nas suas magnificas paisagens, que aliadas, à flora, fauna e atividades culturais características das ilhas, podem tornar a passagem de qualquer turista pelo nosso arquipélago única e inesquecível”.

Segundo a governante, “a importância destas medidas de sustentabilidade em prol da imagem do Destino Açores é reforçada no Plano Estratégico e de Marketing do Turismo dos Açores, onde estão definidas orientações estratégicas para o reforço e desenvolvimento da nossa atividade turística, no sentido de torná-la, cada vez mais, num setor sustentável, capaz de gerir riqueza, de preservar e criar postos de trabalho”.

Na sua intervenção, Marta Guerreiro acrescentou que para além do PEMTA, será concluído, durante o próximo ano, a revisão do Plano de Ordenamento Turístico da Região Autónoma dos Açores.

“Com estes dois documentos, que são complementares entre si, a Região Autónoma dos Açores ficará dotada com os necessários instrumentos estratégicos e de planeamento para responder a muitos dos desafios que se colocam nesta área, como são os casos da definição das tipologias de alojamento, da capacidade de carga em determinados pontos da Região e a oferta específica a disponibilizar por cada ilha”, reforçou a titular da pasta do Ambiente e do Turismo.

Marta Guerreiro apelou ao “imprescindível contributo ativo” de todas as entidades públicas e privadas que atuam nesta área, deixando a nota de que estes pretendem ser “instrumentos orientadores e regulatórios quer permitam que o Turismo, cada vez mais, se assuma como um pilar da economia regional, através de políticas que garantam a sua sustentabilidade económica e ambiental”.

Pin It on Pinterest

Advertisment ad adsense adlogger