Apresentação Pública do Livro O Liceu Nacional do Funchal (1837-1900)

O Governo Regional, através da Secretaria Regional do Turismo e Cultura, leva a efeito a Apresentação Pública do livro O Liceu Nacional do Funchal (1837-1900), na Sala 215 da Escola Secundária de Jaime Moniz, pelas 17h.

A obra, da autoria de Hélder César Spínola Teixeira, com vasta Bibliografia e Anexos, resulta de uma dissertação de ‘Mestrado em História e Cultura das Regiões’, apresentada e defendida na Universidade da Madeira, em 2006, com o mesmo título.

O volume dá corpo a uma investigação robusta, que examina as fontes arquivísticas e bibliográficas atinentes à história do Liceu Nacional de Jaime Moniz, entre a sua fundação, em 1837, e o final do século XIX, concretamente até à implementação da reforma conhecida como de Jaime Moniz, grande período fundador já que, nele, se configura, como diz o Autor, a ideia contemporânea de Escola, sobretudo nas suas vertentes principais, a saber: 1) a questão da estatização do ensino, com o famoso decreto de Passos Manuel (em 1936); 2) a questão da progressiva profissionalização do professorado, quer quanto à respectiva formação, quer quanto aos aspectos de carreira (Reforma de Fontes Pereira de Melo, de 1860); e bem assim, 3) quanto à constituição de uma pedagogia mais orientada, cientificamente assente nas Ciências Humanas e Sociais, com a bem conhecida Reforma de Jaime Moniz (1894-1895).

No Prefácio, António Sampaio da Nóvoa (Antigo Reitor da Universidade de Lisboa, ex-candidato presidencial e especialista em Ciências da Educação) refere que, graças “a uma investigação sólida e rigorosa, Hélder Teixeira expõe a forma como o “todo-poderoso império do meio”, expressão usada por Lucien Febvre, se desenvolve na Madeira. É um processo lento, que o autor ilustra com base na análise de um significativo acervo documental.”

Deste modo, a Direção Regional da Cultura, através do seu Serviço de Publicações, dá continuidade aos seus deveres de recolher, preservar e, sobretudo, de valorizar e divulgar estudos que facilitem e desenvolvam uma maior compreensão da nossa História Cultural, junto dos estudiosos e dos cidadãos interessados, na Região e fora da Região, em língua portuguesa e em tradução (sempre que apropriado), no espaço nacional ou nas nossas comunidades da diáspora.

Pin It on Pinterest