Pena de morte adiada por falta de veias

Doyle Hamm ia ser executado na quinta-feira, através de injecção letal, mas a sentença do americano condenado à pena capital por um homicídio, em 1987, teve que ser abortada duas horas depois de iniciada porque os médicos não encontraram uma veia para administrar a dose necessária para a sua morte.

O tribunal já teria sido avisado para as dificuldades que iriam encontrar. Doy Hamm tem cancro e a elevada quantidade de medicamentos intravenosos que recebeu nos últimos anos comprometeu as suas veias. Foram feitas 12 tentativas falhadas, após as quais a execução foi suspensa, uma vez que a sentença de morte expirava à meia-noite.

O Estado do Alabama e os advogados do condenado travaram uma longa batalha legal desde 2014, quando descobriram que o homem sofria de cancro. Em 2016, o Supremo Tribunal decidiu a favor do Estado, depois de o doente ter apresentado melhorias.

Até ao momento, não existe qualquer indicação de uma data para a execução do condenado.

Pin It on Pinterest

Advertisment ad adsense adlogger