Silêncio do secretário da Educação é comprometedor

O SPM diz que Jaime Freitas está a causar “a indefinição, a incerteza e a angústia para os docentes, para as escolas e para as famílias”.

O Sindicato dos Professores da Madeira (SPM) está a promover, até às 10h00 de amanhã, uma jornada de luta dos docentes em defesa do emprego e qualidade do ensino, em frente à Secretaria Regional da Educação e Recursos Humanos, sita na Avenida Arriaga (Placa Central).

“Queremos chamar a atenção ao senhor secretário da Educação e à sociedade em geral para a necessidade de um corpo docente estável suficiente para todas as necessidades da Educação, do Ensino e da Escola da Madeira. Ou seja, todos os professores que estão neste momento no ensino são necessários para a boa qualidade do sistema”, frisou Sofia Canha.

A coordenadora do SPM, que falava esta tarde na tribuna pública integrada na Vigília pelo Emprego, referiu ainda que há neste momento cerca de 137 docentes inscritos no Centro de Emprego da Madeira, sendo que há um ano atrás o referido número situava-se nos 62. “Teme-se que o desemprego na classe docente atinja as centenas no próximo ano letivo, sendo os docentes contratados os primeiros a serem atingidos”, alertou.

Para além do desemprego, Sofia Canha apontou que ainda há a considerar a problemática dos horários-zero “que poderão vira a engrossar” os números do desemprego numa fase posterior. “Todavia, e perante a gravidade da situação, sobre estas questões, pouco ou nada diz de concreto a Secretaria Regional da Educação e Recursos Humanos, mantendo-se a indefinição, a incerteza e a angústia para os docentes, para as escolas e para as famílias”, denunciou.

A coordenadora do SPM referiu mesmo que o “silêncio” do secretário regional da Educação “é comprometedor”. “Parece-nos que o senhor secretário tem um certo receio de dizer aos professores aquilo que eles não querem ouvir, estando a adiar declarações que esperemos que não sejam tão dramáticas como aquelas que parecem se avizinhar”, transmitiu.

Registe-se que a tribuna pública contou com a intervenção de todos os partidos com assento parlamentar, com exceção do PND e do PSD.

Na sequência da Vigília pelo Emprego será entregue à tutela educativa, na próxima sexta-feira, pelas 14h30, uma moção e um abaixo-assinado com as preocupações e reivindicações dos docentes.

[fblike style=”standard” showfaces=”false” width=”450″ verb=”like” font=”arial”] [fbshare type=”button”] [twitter style=”vertical” float=”left”]

Pin It on Pinterest