COVID-19 – Recomendações para utilizadores de lentes de contato e óculos

A Associação de Profissionais Licenciados de Optometria (APLO), que representa mais de 1.244 optometristas, esclarece que o uso das lentes de contato é seguro e que os óculos regularmente utilizados para compensação de erros refrativos não oferecem proteção contra o COVID-19.

“Apesar dos mitos e desinformação que surgiram nas últimas 48 horas, o uso das lentes de contato continua a ser uma forma segura e altamente eficaz de compensação da visão para milhões de pessoas em todo o mundo”, esclarece Raúl de Sousa, presidente da APLO.

O uso de lentes de contato só deve ser interrompido se estiver doente, consistente com as orientações para outros tipos de doenças e não especificamente para a prevenção do COVID-19.

O presidente da APLO clarifica ainda que “os óculos regularmente utilizados para compensação de erros refrativos não estão comprovados de que oferecem proteção. Não há evidências científicas de que usar óculos forneça proteção contra o COVID-19 ou outras transmissões virais”.

Como medidas de prevenção do COVID-19, a APLO recomenda que “ao usar lentes de contato ou óculos, é fundamental a lavagem cuidadosa das mãos com água e sabão, seguida da secagem manual com toalhas de papel não utilizadas. Para usuários de lentes de contato isso deve ocorrer antes de cada inserção e remoção”.

Os utilizadores de lentes de contato devem descartar as suas lentes diárias descartáveis todas as noites ou desinfetar regularmente as suas lentes mensais de acordo com as instruções do fabricante e do optometrista. Os óculos também devem ser desinfetados. “Alguns vírus, como o COVID-19, podem permanecer em superfícies duras por horas a dias, podendo ser transferidos para os dedos e rostos dos utilizadores de óculos. Isto é particularmente relevante para presbíopes (pessoas geralmente com mais de 40 anos). A maioria dos presbíopes requer óculos de leitura que colocam e retiram do rosto várias vezes ao dia. Essa faixa etária parece estar entre a população mais vulnerável ao desenvolvimento do COVID-19, em comparação com os utilizadores de lentes de contato, geralmente mais jovens”, conclui Raúl de Sousa.

Pin It on Pinterest